Make your own free website on Tripod.com

zecavelar

ZecaEstohrias
ZK Home
MomentoS
About Me
Favorite Links
Contact Me
Zeca_Family Photo Album
Photo Album
CV-Zk
Cronikas
MSGs
Estohrias
TwelvePage

Flashs do Kotidiano ZK

Zeca... Voador...
zkvoador.jpg
...ah como está longe a água da piscinazk!

Um korpo que kai...
"o povo todo olhava para o alto - estupefatos, olhos arregalados, incrédulos, quase sem respirar, acompanhando a trajetória do corpo que se quedava...E, esse lapso de tempo, poucos segundos, parecia-lhes uma eternidade...Principalmente para Xyco Pobre, o dono do corpo..."

Xyco Pobre estava exausto. Já não raras vezes sentia tonturas, e uma contínua dorzinha de cabeça que, se não era tão forte, ainda assim o incomodava muito. Amaldiçoava diariamente as emissoras de TV que encerravam a programação, quando muito, as 3 da madrugada, quando ainda restavam mais de três horas para o clarear do novo dia. E ele, ainda acordado, entediado.
Não - não poderia se deitar tão cedo pois, se assim o fizesse não conseguiria dormir além das 17 horas e, nesse caso, teria ainda todo um final de tarde e principio de noite pela frente e pior, que enfrentar todas as dezoito novelas nacionais e mexicanas antes dos jogos. Era demais... Jamais lhe passara pela cabeça o quão era difícil o "não fazer nada".
Queria fazer alguma coisa, mas o quê? E, cadê o animo? A pouca disposição que tinha, há muito fora enterrada com seu último emprego. E a sua determinação era do tamanho da dos políticos em cumprirem suas promessas de campanha.
Por isso, é que agora, num estertor de coragem ou de loucura, estava ele, ali, no beiral da laje de concreto do edifício, inerte, enquanto mil pensamentos atormentavam sua mente..."Eu vou pular...vou saltar... basta inclinar um pouco o corpo para a frente..."
Lá embaixo, dezenas de pessoas, olhavam para ele, em algazarra, que lhe soavam como um zumbido. - Desta vez eu pulo!... E as dores que sinto no corpo e na alma, todas passarão,... cessarão,... cess...
O Pobre Xyco, abriu de repente os braços e quedou-se. No ar, nessa eternidade, desse interminável trajeto, nessa fração de segundo que separava o beiral do edifício de três metros de altura ao solo, Xyco Pobre, pode passar em revista todos os atos de sua existência, só sendo interrompido pelo "CHULAP" do barulho de seus mais de oitenta quilos se estatelando na água da piscina de seu amigo Zeca!
...
Só faltava se afogar agora! - Será que seu "colete salva-vidas" com capacidade para 150 kg, era de procedência "Made in Paraguai"? ...Se sim, será que todo o pessoal da Marinha, ao redor da piscina conseguiria resgatá-lo?... Por via das dúvidas, Xyco Pobre prometeu a si mesmo: N'AGUA - NUNCA MAIS !

Enter supporting content here